Clipping
CLIPPING
 

As matérias e artigos a respeito de escolha profissional e profissões ficam disponíveis durante o mês corrente. 

Voltar

Nova pagina 2

Portal G1, http://g1.globo.com/educacao/guia-de-carreiras/noticia/mercado-fit-e-longevidade-aumentam-procura-pela-carreira-de-educacao-fisica.ghtml, 03/08/2017

Mercado “fit” e longevidade aumentam procura pela carreira de educação física

Número de formados na área quadruplicou entre 2000 e 2015, segundo o Censo da Educação Superior; expansão foi maior entre os estudantes de bacharelado.

Por Ana Carolina Moreno, G1

Em expansão há mais de duas décadas, o mercado fit é um dos principais fatores por trás do aumento da procura pela carreira de educação física. Especialistas ouvidos pelo G1afirmam que a proliferação de academias pelo país, além do fortalecimento da cultura de promoção de saúde e lazer para pessoas de várias faixas etárias, são os dois fatores predominantes na mudança.

Entre 2000 e 2015, por exemplo, o número de profissionais formados anualmente na área cresceu de 8.283 para 35.032, um aumento de 323%, segundo o Censo da Educação Superior.

Além das vagas na graduação, os postos de trabalho também registraram aumento. Um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) com dados do Caged, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, do Ministério do Trabalho e Emprego, mostrou que, entre janeiro de 2009 e dezembro de 2012, foram abertos 6.848 novos postos de trabalho de nível superior para profissionais de educação física. Foi a 11ª profissão com o maior número de novas vagas no período.

Culto ao corpo x corpo e alma

Roberto Pereira Furtado, professor da Universidade Federal de Goiás (UFG), explica que a mudança na forma como a sociedade lida com o corpo também afetou o mercado de trabalho dos profissionais de educação física. Além da preocupação com o que os profissionais da área chamam de fitness , há também cada vez mais o foco no bem estar integral das pessoas.

"O ‘fitness’ de fato teria uma ênfase maior na questão física, isso envolve mais o público mais jovem. Mas, hoje em dia, essa própria indústria do fitness já se amplia e utiliza uma nomenclatura diferente que é wellness . Seria uma lógica de bem estar, mas é no mesmo campo de trabalho", explica o professor.

"O personal trainer atende tanto quem quer melhorar o condicionamento físico pensando na questão física quanto quem quer melhorar o condicionamento por uma questão de saúde. Pode ser um jovem ou um idoso. O personal atende as diferentes demandas do público. Mas tem também o surgimento de casas especializadas em crianças, ou idosos, pessoas com deficiência”, diz o professor.

A área de wellness acabou atraindo Luciana Gomes, de 42 anos, depois que ela já acumulava vários anos dando aulas de diversas atividades físicas em academias, além da graduação plena em educação física e uma pós-graduação em ginástica postural.

Ela afirma que começou a trabalhar em academias de ginástica pelo motivo mais frequente: é o mercado com o maior número de vagas, e ela precisava de dinheiro para pagar a faculdade. “Era uma forma fácil de ganhar dinheiro, mas não era um lugar para mim, não era um lugar em que eu me sentia à vontade. Era legal, todo mundo era engraçado, mas faltava alguma coisa”, disse ela.

Especialista em alongamento

Na hora de buscar uma pós-graduação, ela decidiu evitar o caminho mais comum entre seus colegas, de estudar a fisiologia do exercício. Sua escolha de estudar ginástica postural a acabou colocando no caminho da ioga.

"Fiz pós em ginástica postural. Então fiquei sendo uma especialista em alongamento, na verdade. Por conta disso, uma coordenadora de uma academia em que eu trabalhava me chamou para ser substituta do professor de ioga." (Luciana Gomes, profissional de educação física e instrutora de ioga)

Assim que começou a aprender mais sobre a área, ela diz que viu como a ioga lhe dava o que faltava nas aulas de dança ou nos treinos de academia. “Não é uma aula de ginástica. Não é fazer uma série de 15 repetições, contar até 8 e pedir para o aluno repetir. Tive logo que buscar curso de formação oficial, para me sentir mais apropriada na prática.” Há 12 anos, Luciana é formada e dá aulas de Iyengar Yoga na região da Avenida Paulista, em São Paulo. “Depois que comecei a trabalhar com ioga larguei mão de tudo. Tive que escolher”, explica ela.

Como a ioga é considerada uma filosofia, e não uma atividade física, os conselhos da categoria, que fiscalizam o exercício da profissão, afirmam que a prática não é restrita a quem tem diploma de educação física. Luciana explica que, na formação, os iogues estudam conhecimentos ligados à anatomia, à fisiologia e até à didática.

Vantagens do diploma em educação física

Mas, como graduada plena em educação física, ela diz que a graduação oferece uma visão mais abrangente do que as formações de práticas específicas, como ioga, pilates ou outras atividades esportivas ou físicas.

"Uma coisa complementa outra. Tem uma vantagem para quem é profissional de educação física ou fisioterapeuta, porque você acrescenta, já tem um conhecimento de anatomia, fisiologia, o conhecimento técnico que o deixa um passo à frente. Mas a questão filosófica é o entendimento dele de ter uma postura aberta para uma coisa completamente diferente."

Ela afirma que, quando começou a estudar ioga, tinha “um olhar mais crítico”, principalmente em relação à flexibilidade do corpo. Ela dá como exemplo a flexão do joelho. “Na anatomia tem um ângulo saudável de flexão do joelho, 90 graus. Mas tem posição da ioga em que o joelho flexiona 120 graus”. Segundo ela, apesar de, em teoria, isso ser danoso ao corpo humano, ao estudar a posição específica, o professor de ioga percebe que existe todo um desenho do corpo e da mente que permite essa flexão do joelho sem machucar o praticante.

Mesmo assim, ela diz que a filosofia da ioga é mais capaz do que a formação em educação física quando o quesito é buscar a “integralidade” entre a saúde física, mental e emocional.