Clipping
CLIPPING
 

As matérias e artigos a respeito de escolha profissional e profissões ficam disponíveis durante o mês corrente. 

Voltar

Portal G1, https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2019/02/18/diploma-na-mao-e-frustracao-jovens-lutam-para-conseguir-vaga-na-area-de-formacao.ghtml, 18/02/2019

Diploma na mão e frustração: jovens lutam para conseguir vaga na área de formação

Núcleo Brasileiro de Estágios ouviu profissionais com até cinco anos de formados. Em dois anos, só 33% conseguiram trabalho na profissão em que se formaram.

Por Jornal Nacional

No mercado de trabalho, o Brasil tem, hoje, uma legião de jovens frustrados. Eles investiram tempo e dinheiro em um curso de graduação, mas o diploma não garantiu um emprego imediato.

A mão treme, a boca seca. É nervosismo de principiante que chama? “É um momento de muita emoção, muita expectativa, e hoje passa um filme na nossa cabeça. Noite sem dormir, a gente indo trabalhar, depois de ter ido dormir muito pouco. É uma emoção muito grande”, diz o administrador Renan Souza Oliveira.

Para ele, esse roteiro acaba com final feliz: receber o diploma de Administração e entrar no mercado de trabalho.

Colegas, famílias orgulhosas... Mas aí, a luz cai. O auditório fica escuro por falta de energia. É, Renan. O cenário não está ajudando. “A partir de amanhã tem que pensar em se especializar, lutar, trabalhar. Porque está muito complicado o mercado aí fora”, afirma Renan.

Formatura é dia de o aluno fazer pose, vestir figurino, sair bem na foto. Aliás, fotógrafo é o que não falta. Para eles, agora, é a realidade do mercado de trabalho. Todos têm a expectativa de conseguir “para ontem" um emprego na área de formação. Mas um estudo feito com profissionais recém-formados indica que isso pode não ser tão fácil assim.

O Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube) ouviu profissionais com até cinco anos de formados. Em dois anos, só 33% deles conseguiram trabalho na área de formação; 58% dizem que não passam nas entrevistas de emprego porque não têm experiência; e só 25% entraram na área em menos de três meses.

Larissa da Silva Dutra trabalha meio período como recepcionista de clínica e, no resto do dia, procura emprego de psicóloga. “Claro que o sonho, o dinheiro gasto, tudo isso, a gente fica meio frustrado”, afirma Larissa da Silva Dutra, psicóloga formada.