Nova pagina 8

REVISTA GESTÃO UNIVERSITÁRIA – 01/06/2016 – BELO HORIZONTE, MG

Educação Médica Continuada: Como os recursos de apoio à decisão podem
agregar conhecimento científico à prática clínica

FERNANDA MENDES FERREIRA /

Wendy
Walsh*

É
fato que o cenário da saúde mudou significativamente nos últimos anos. Reflexo
não só da necessidade de acompanhar todos os avanços científicos e tecnológicos,
que têm ocorrido em ritmo acelerado, como também de preparar os prestadores de
cuidados médicos para atender às novas exigências, no que diz respeito à
qualidade, segurança e eficiência do atendimento aos pacientes. Outro ponto
importante é que cerca de 50% do conhecimento médico, especialmente aquele
relacionado diretamente a tratamentos, torna-se obsoleto apenas quatro anos após
a graduação do profissional de saúde. Além disso, em uma revisão sistemática, 45
de 60 estudos que analisaram resultados clínicos encontraram uma queda no
desempenho mesmo entre médicos com mais anos de experiência. Esses dados em
nível mundial mostram que, ao contrário do que muitos imaginam, a prática não
elimina a necessidade de renovar o aprendizado.


Atualizar-se é, portanto, imperativo. Os programas de educação médica
continuada, em suas diversas frentes, surgem exatamente para responder a esses
desafios e, principalmente, para agregar conhecimento científico à prática
clínica e, quanto mais fácil o acesso, maior o impacto. Isso porque a exaustiva
rotina do dia a dia e a indisponibilidade de tempo, associadas aos custos
elevados e até mesmo à dificuldade de mobilidade acabam inibindo e até
inviabilizando a participação dos profissionais da saúde em eventos científicos,
congressos e outros tipos de situações em que estar presente fisicamente é
primordial.


Investir em novas abordagens de capacitação para aproximar o médico do
conhecimento é compulsório. Além da educação à distância, neste cenário, o uso
constante dos recursos de apoio à decisão clínica são uma excelente alternativa
não só para o profissional da saúde optar por um determinado tratamento, como
para ampliar o seu conhecimento. Esse tipo de ferramenta, graças a uma série de
vantagens práticas como, por exemplo, a possibilidade de ser acessada por
dispositivos móveis e de integrar-se com prontuários eletrônicos, permite o
aprendizado à beira do leito, em tempo real. Sem falar que combina tecnologia e
plataformas de publicação avançada a um rigoroso e sofisticado processo
editorial, gerido por autores médicos e editores especialistas.

Outro
ponto interessante é o fato de existir um elevado grau de comprometimento com a
qualidade da informação, ampliando o leque de possibilidades de diagnósticos e
assegurando a aplicação de critérios validados. Um estudo realizado pelo Mayo
Clinic com um desses recursos evidenciou que 20 minutos por dia de pesquisa aos
conteúdos disponíveis equivalem a um ano inteiro de residência, impactando nos
resultados durante exames de avaliação.

Em
todo o mundo, associações e sociedades médicas das mais diversas especialidades
reconhecem as consultas realizadas em recursos de apoio à decisão clínica como
créditos de EMC para o desenvolvimento profissional contínuo e para as
revalidações necessárias. É o caso do Royal College of General Practitioners (RCGP),
associação que reúne os médicos com especialidade em clínica geral do Reino
Unido e permite aos associados utilizarem este tipo de ferramenta a fim de
revalidar suas licenças. Mais próximo à realidade do Brasil temos o exemplo do
Colégio de Medicina Interna de México A.C. (CMIM), uma das universidades de
medicina de maior destaque na América Latina. A instituição conseguiu que a
FEMECOG, federação que conglomera as instituições de ensino de obstetrícia e
ginecologia, acreditasse um recurso de apoio à decisão clínica como ferramenta
utilizada para ajudar os profissionais médicos a atingirem os seus objetivos de
formação continuada.

No
Brasil, ainda não existe um padrão estabelecido capaz de redimir esses créditos
de EMC e muitas instituições desconhecem essa rica utilização. O que acontece é
que alguns hospitais, mesmo que em pequena proporção, empregam esse tipo de
recurso em programas próprios, utilizando os relatórios de acessos gerados por
essas ferramentas para nortear ações e até para verificar quais conhecimentos
são mais buscados. Além disso, um indicador inicial positivo de progresso é que
algumas sociedades já estão começando a explorar o reconhecimento de tópicos
lidos em sistemas de apoio à decisão clínica como uma atividade de EMC válida.


Embora ainda exista um longo caminho a percorrer, existe uma forte expectativa e
mesmo a necessidade de criarem-se padrões locais que permitam redimir esses
créditos. Para isso, é preciso que as acreditações deixem de ser voluntárias e
tornem-se obrigatórias e, principalmente, que as sociedades reconheçam o valor
dos recursos de apoio à decisão clínica ao proporcionar acesso fácil à
informação e conhecimento científico de qualidade. Quanto mais rápido for esse
processo, maiores serão as chances de ampliar os horizontes e romper barreiras
do conhecimento.

*
Wendy Walsh, é gerente de Educação Médica Continuada da Wolters Kluwer Health,
empresa que desenvolveu o UpToDate®, recurso de suporte a decisões clínicas
baseado em evidências

Categorias: Medicina

1 comentário

Os comentários estão fechados.

× clique aqui e fale conosco pelo whatsapp