bool(false)

Estado de São Paulo, https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,destruicao-de-empregos,70003901537, 17/11/2021

Destruição de empregos

O desaparecimento de postos de trabalho tem acontecido por força do avanço da tecnologia digital e pela transição energética

Celso Ming*, O Estado de S.Paulo

As relações de trabalho passam por duas transformações. A primeira tem a ver com o rápido crescimento do trabalho autônomo, situação em que as pessoas ativas deixam de ser assalariadas e passam a operar como freelancers ou por conta própria. Faz parte desse segmento a chamada gig economy, aquela dos “fazedores de bicos” e dos operadores do Uber e do iFood.

A outra revolução está na enorme destruição de funções e, também, na criação de outras. É dessa segunda transformação que esta Coluna começa a tratar. O desaparecimento rápido de postos de trabalho acontece por força de dois fatores: pela disseminação da tecnologia digital e pela inevitável erradicação dos combustíveis fósseis.

A perda de empregos pelo uso de tecnologia digital foi mais bem notada. Há alguns anos, no Brasil, duas das mais importantes categorias profissionais, bancários e comerciários, estão à míngua, como a dos alfaiates e das costureiras depois do aparecimento da indústria de confecção. Os bancos estão fechando agências e demitindo funcionários porque as operações são feitas cada vez mais em canais digitais. Desde 2016, o número de agências caiu 17,1%, segundo dados da Federação Brasileira das Associações de Bancos (Febraban) . No comércio varejista crescem as compras online. Lojas e shoppings se transformam em simples showrooms e vão dispensando vendedores. Os que continuam lá passam a trabalhar mais como demonstradores de produto do que como vendedores.

Mas esses são apenas exemplos. A tecnologia vai desempregando gente em outras atividades. Os trabalhadores de call centers vão sendo substituídos por dispositivos automáticos em que o consumidor fica a digitar um algarismo atrás do outro e só é atendido por algum humano depois de ter de ouvir insistentes musiquinhas. E sabe-se lá quantos empregos mais desaparecerão com a conexão 5G e com o avanço da Internet das Coisas.

A transição energética é outra grande destruidora de empregos. À medida que a frota a diesel e gasolina for sendo substituída pelo carro elétrico, oficinas mecânicas terão de se transformar em elétricas, sumirão os frentistas de postos de combustível, como já sumiram em outros países. O veículo autônomo vai dispensar aos milhares motoristas, caminhoneiros, ajudantes…

Não se pode olhar apenas pelo lado da perda de empregos. Essas transformações também criarão novos postos de trabalho. Mas não na mesma proporção em que serão fechados.

De todo modo, será preciso reciclar a mão de obra que será dispensada por meio de treinamentos, cursos e estágios.

E é o que veremos na Coluna desta sexta-feira. 

*CELSO MING É COMENTARISTA DE ECONOMIA

× clique aqui e fale conosco pelo whatsapp