bool(false)

Outras Palavras, https://outraspalavras.net/trabalhoeprecariado/as-novasfabricas-do-capitalismo/, 13/06/2022

As novas fábricas do capitalismo

Digitalização não acabou com a indústria – ao contrário, tornou-a onipresente. Ela invade a casa e alicia até crianças. Algoritmo é o capataz. Exige pouca qualificação. Captura o tempo livre e o do cuidado. Esgota corpos e mentes. Não tem fronteiras

OUTRAS PALAVRAS, Por Moritz Altenried

Por Moritz Altenried em entrevista ao Digilabour 

Moritz Altenried é pesquisador em nível de pós-doutorado na Universidade Humboldt de Berlim e pesquisa o trabalho por plataformas em três projetos europeus, Digitalisation of Labour and Migration, Platform Labour in Urban Spaces (PLUS) e Fairwork.

Recentemente, ele lançou o livroThe Digital Factory: the human labor of automation (A fábrica digital: o trabalho humano de automação, em tradução livre). Altenried aborda trabalhadores em diversos setores, como moderadores de conteúdo, entregadores, quem trabalha em galpões da Amazon, gamers, e otimizadores de mecanismos de busca. Este é mais um livro que mostra o papel do trabalho humano no estágio atual do capitalismo. Moritz Altenried explora questões de divisão do trabalho, geografias, e as lutas dos trabalhadores.

Em entrevista ao DigiLabour, Altenried explica o que significam essas fábricas digitais, a noção de taylorismo digital, o papel das infraestruturas, da migração e do gênero, além de analisar as questões em comum nos setores analisados por ele no livro.

_________

Digilabour: Uma das coisas mais interessantes do seu livro é a variedade de setores analisados, como logística, games, crowdwork e mídias sociais. Quais são as semelhanças entre os setores? 

Moritz Altenried – A ideia por trás de olhar para esses locais muito diferentes era testar as ideias e hipóteses do livro em diferentes setores e locais para pensar em desenvolvimentos mais amplos que caracterizam as atuais transformações do trabalho e do capitalismo. Ao mesmo tempo, eu queria dar conta da diversidade de regimes e situações de trabalho que encontramos globalmente, mesmo em um determinado local, como uma cidade. Assim, minha ideia é menos descrever uma nova forma paradigmática de trabalho, mas dar conta da heterogeneidade dos regimes de trabalho no capitalismo contemporâneo. Indiscutivelmente, essa mesma heterogeneidade é o traço que caracteriza o trabalho no capitalismo global de hoje.

Dito isso, eu estava interessado em um certo tipo do que chamo de fábricas digitais. O termo fábrica refere-se aqui menos a um edifício de concreto (também pode ser relacionado ao trabalho por plataformas ou aos setor de games), mas sim a locais em que as tecnologias digitais garantem e impõem regimes de trabalho às vezes curiosamente semelhantes aos das fábricas tayloristas no início do século XX, mesmo que pareçam completamente diferentes. Os trabalhadores que otimizam mecanismos de busca no Google, trabalhadores dos galpões da Amazon, trabalhadores por plataformas e testadores de jogos, entregadores ou gerentes de conteúdo em plataformas de mídias sociais são exemplos dos trabalhadores das fábricas digitais de hoje. Seu trabalho é repetitivo e estressante, muitas vezes chato, mas também pode ser emocionalmente muito exigente. Muitas vezes, requer pouca qualificação formal, mas um alto grau de habilidade e conhecimento. Essas formas de trabalho estão inseridas em sistemas digitais, mas – pelo menos por enquanto – não automatizáveis.

No livro, uso o termo taylorismo digital para descrever novos modos de padronização, decomposição, quantificação e vigilância do trabalho mediado por tecnologias digitais. E isso é observável em todos os diferentes lugares da minha pesquisa. Ao mesmo tempo, essas formas de gerenciamento algorítmico, organização digital e controle do trabalho permitem a rápida inclusão – e igualmente rápida expulsão – de forças de trabalho muito heterogêneas, muitas vezes migrantes, nos processos de produção. Podemos observar isso em diferentes indústrias. Estou tentando teorizar esse processo a partir do conceito de multiplicação do trabalho emprestado de Sandro Mezzadra e Brett Neilson.

Podemos pensar em um centro de distribuição da Amazon. Aqui, um processo de trabalho altamente padronizado e organizado digitalmente permite a inclusão flexível de trabalhadores temporários e sazonais para dimensionar a força de trabalho de acordo com a demanda flutuante, por exemplo, na época do Natal. Ou, para dar um exemplo de minhas pesquisas mais recentes, podemos pensar nas formas pelas quais as plataformas de trabalho, com seus contratos flexíveis e rígida supervisão digital dos trabalhadores são voltadas quase perfeitamente para a exploração de trabalhadores migrantes. Por meio do trabalho guiado por aplicativos multilíngues, há muito pouco treinamento necessário e um alto nível de controle sobre o processo de trabalho é facilmente alcançável. Uma alta flutuação na força de trabalho não é problema aqui. Pelo contrário, é parte do cálculo das plataformas que podem contar com um exército de reserva latente de – muitas vezes predominantemente migrantes – trabalhadores que podem ser admitidos e expulsos das plataformas com custos e problemas mínimos.

Se o livro começasse a ser escrito hoje, qual outro setor você incluiria?

Esta é uma pergunta muito boa. Eu sinto que todos os exemplos, da Amazon aos games, das plataformas de entrega à moderação de conteúdo para mídias sociais, são tão importantes, se não mais, do que eram nove anos atrás, quando comecei a pesquisa para este projeto. Mas certamente haveria outros lugares muito bons. Por exemplo, como o livro trata dos limites da automação, os campos do cuidado e da reprodução social em geral são incrivelmente interessantes. Além disso, o trabalho mais recente sobre plataformas de entrega, logística urbana e migração que estou fazendo com meus colegas aqui em Berlin e na Europa se encaixaria muito bem no livro. Indústrias mais tradicionais, como o setor automotivo, também seriam muito interessantes. Eu estou planejando olhar para agências de trabalho temporário por um bom tempo, e muito mais…

Além disso, os estudos de caso podem levar em conta muitos outros locais. Por exemplo, a pesquisa sobre o cultivo de ouro em games provavelmente começaria hoje na Venezuela e não na China (onde o apogeu do cultivo de ouro parece ter acabado). Consegui descrever essa transição no livro, mas seria muito interessante falar com os trabalhadores digitais da Venezuela hoje, por exemplo, e ver como essa economia paralela continua se transformando.

O que significa dizer que o capitalismo digital não é o fim da fábrica, mas sua explosão e multiplicação? Ou ainda, o que significa entender a plataforma como uma fábrica?

Para mim, pensar a fábrica era atrativo, em primeiro lugar, porque parece ser um ponto de partida bastante intempestivo para uma análise do capitalismo contemporâneo. Para a teoria social e política, a fábrica tem sido um local central de análises críticas das sociedades capitalistas – pense em Marx, mas também em muitos outros. No entanto, para a maioria das teorias do pós-fordismo, do capitalismo cognitivo e assim por diante, o papel mais importante da fábrica é o de um contra-exemplo contra o qual se analisa a transformação do trabalho e do capitalismo. Então, para mim, foi atraente analisar a atual transformação do capitalismo pelo ângulo da fábrica, também como contraponto, ou talvez como complemento, por exemplo, de um viés nas teorias do trabalho imaterial ou cognitivo (que são muito importantes na minha opinião). Para o livro, centralizar a fábrica implicava menos ênfase na importância contínua das fábricas industriais, mas um certo conceito de fábrica digital, como já mencionei. Resumindo: com esse conceito, estou tentando explicar como as tecnologias digitais permitem que a lógica das fábricas encontre novas formas espaciais, como a plataforma. E é isso que quero dizer com a explosão ou multiplicação da fábrica.

Vamos pensar novamente em uma plataforma como Uber ou Deliveroo: aqui, a tecnologia digital permite a organização, controle e medição semi-automatizada do trabalho em detalhes granulares. Tal nível de organização e controle rígido, mas espacialmente distribuído, era impensável fora dos espaços disciplinares das fábricas antes das tecnologias digitais. Hoje, a tecnologia digital é capaz de assumir as funções espaciais e disciplinares da fábrica tradicional. Assim, novas formas de coordenação e controle funcionam à distância e podem chegar às ruas do espaço urbano, se pensarmos em entregadores ou motoristas de Uber. Ou em residências particulares, se pensarmos no trabalho remoto por plataformas. Para mim, uma das coisas mais fascinantes sobre o crowdwork é como a tecnologia digital permite que plataformas como Appen ou Amazon Mechanical Turk sincronizem um conjunto profundamente heterogêneo e globalmente distribuído de trabalhadores domésticos em uma linha de produção digital bem organizada. Esse é um excelente exemplo da fábrica digital, eu acho.

Você fala sobre taylorismo digital, tanto em um sentido polêmico quanto sistemático. O que isso quer dizer?

Polemicamente, o termo tem sido usado com frequência nos últimos anos para denunciar as condições ruins e estressantes do trabalho digital, o que obviamente é um bom uso do termo. No livro, no entanto, estou tentando desenvolver uma noção sistemática de taylorismo digital. E eu acho que tem havido algum interesse disperso de outros pesquisadores nos últimos anos também, para usá-lo como um termo conceitual. Como mencionei anteriormente, uso o termo para descrever como uma variedade de formas e combinações de software e hardware como um todo permitem novos modos de padronização, decomposição, desqualificação, quantificação e vigilância do trabalho. Muitas vezes, o gerenciamento algorítmico (semi-)automatizado desempenha um papel crucial.

Às vezes, também duvidei do termo, pois não quero defender um simples renascimento do taylorismo, mas procurar enfatizar como as tecnologias digitais permitem o surgimento de elementos clássicos do taylorismo de maneiras novas e muitas vezes inesperadas. Ainda assim, é impressionante para mim como a tecnologia digital pode quase radicalizar os conceitos de Taylor e permitir coisas com as quais Taylor só poderia sonhar. E, inversamente, a obsessão do taylorismo pelos estudos de tempo e movimento, de medir e quantificar o trabalho pode ser entendida como uma forma de “mineração de dados avant la lettre” como bem descreveu Claus Pias.

O taylorismo digital, para mim, parece produtivo como um conceito para traçar essas genealogias e analisar como as tecnologias digitais (baseadas em sensores, dispositivos em rede e arquiteturas de software integradas) podem mover o taylorismo para fora do espaço disciplinar da fábrica e do escritório. E também, ver como isso dá uma qualidade cibernética ao taylorismo digital de hoje no sentido de que muitas vezes há um esforço de gerenciamento e correção de problemas em tempo real.

Por fim, acho importante dizer que não estou defendendo o taylorismo digital como a única ou única forma hegemônica de trabalho no capitalismo digital. Acho que o taylorismo digital é uma tendência importante no mundo do trabalho contemporâneo, mas coexiste – e deve coexistir – com outros regimes de trabalho que apresentam características diferentes. Isso remonta às observações iniciais sobre a heterogeneidade e a multiplicidade de regimes de trabalho que caracterizam o capitalismo contemporâneo – e provavelmente todas as formas de capitalismo que existiram.

Gosto muito quando você destaca no livro o papel das materialidades e das infraestruturas para o trabalho. Qual é o papel das infraestruturas digitais para o que você chama de fábricas digitais?

Eu acho que muito disso já ficou claro, quando falamos sobre a forma como, por exemplo, uma plataforma torna-se uma fábrica digital no sentido de que é uma infraestrutura de produção, uma infraestrutura de exploração do trabalho. Ao mesmo tempo, embora essas empresas tendam a se apresentar dessa forma, elas não consistem em algoritmos. Para que esses algoritmos funcionem, essas plataformas dependem de dispositivos digitais de todos os tipos, satélites, cabos de fibra ótica, data centers e assim por diante. Em seguida, estradas para permitir a construção desses data centers, navios para colocar os cabos submarinos transoceânicos que são a base da internet global, sistemas de reprodução social para reproduzir a força de trabalho de, por exemplo, programadores, engenheiros e guardas de segurança nesses data centers, e assim por diante… Muitos estudos importantes têm enfatizado a própria materialidade relacionada ao digital. Podemos pensar nos trabalhos de Nicole Starosielski, Lisa Parks, Jennifer Gabrys, Keller Easterling e muitos outros. O papo de uma economia “sem peso” ou “virtual” já foi devidamente desmascarado, mas acho que qualquer análise do capitalismo digital deve pensar em suas infraestruturas e materialidades, especialmente em um momento de conflitos globais de recursos e energia e uma dramática crise climática…

Nos seus trabalhos, você foca especialmente em questões de migração e gênero. Qual sua compreensão sobre migração virtual e como isso ajuda a entender os contextos de trabalho atualmente?

O termo migração virtual é interessante e temos debatido muito aqui em Berlin, especialmente no meu trabalho colaborativo com Manuela Bojadzijev e Mira Wallis. O termo tende a provocar pesquisadores de migração, mas também provoca debates importantes em estudos críticos de migração… É retirado do livro Virtual Migration: The Programming of Globalization, de A. Aneesh, onde ele teoriza o trabalho de engenheiros de software indianos que trabalham para empresas estrangeiras remotamente enquanto permanecem na Índia. Seu trabalho é, como ele argumenta, situado em contextos culturais, espaciais e temporais que não combinam com sua localização física, portanto, eles “migram sem migração”.

Essa noção provocativa foi muito produtiva para descrever a situação dos garimpeiros no capítulo de games do meu livro. São jogadores profissionais que jogam games para ganhar dinheiro no jogo – “ouro” – e outros itens que são vendidos – por dinheiro do “mundo real” – para jogadores “de lazer” que desejam avançar rapidamente no jogo. Como essa prática é proibida na maioria dos jogos e desaprovada pelas culturas de games, o cultivo de ouro tornou-se uma economia paralela digital com fascinantes consequências econômicas e culturais. Inicialmente, os cultivadores de ouro estavam localizados principalmente na China. Hoje, a Venezuela se tornou outro ponto de acesso. De qualquer forma, os jogadores profissionais têm que entrar nos servidores dos games, que estão ocupados de forma predominante por jogadores ocidentais, pois esses são os clientes mais importantes. Em muitos jogos, os fazendeiros de ouro são atacados por jogadores “de lazer” ocidentais, pois são percebidos como destruidores da economia e da cultura dos games. O trabalho com cultivo de ouro tornou-se profundamente racializado e no jogo World of Warcraft, por exemplo, os jogadores ocidentais às vezes formam grupos de “vigilantes” para caçar “fazendeiros chineses” e obstruir seu trabalho no jogo.

Então, como entender a situação e as experiências desses trabalhadores de games chineses ou venezuelanos, econômica e culturalmente? Eles trabalham horas a fio em uma cultura digital, com idioma e, às vezes, fuso horário estranho ao seu, são tratados como imigrantes ilegais e trabalhadores estrangeiros enquanto os frutos de seu trabalho são vendidos a jogadores ocidentais. Eles temem que possam ser banidos do jogo por quem publica os games, bem como ataques racistas de outros jogadores. O seu papel econômico e a sua posição legal situam-se entre diferentes geografias e, em muitos aspectos, muito semelhantes aos dos trabalhadores migrantes. Assim, suas experiências são, em muitos aspectos, as mesmas experiências dos trabalhadores migrantes do “mundo real”. Também podemos pensar em trabalhadores de call centers das Filipinas fazendo atendimento ao cliente para clientes dos Estados Unidos ou alguém que trabalha por meio de uma plataforma como um freelancer como assistente pessoal virtual para um cliente do outro lado do globo como mais exemplos de tais tendências e situações.

Olhando para essas situações na perspectiva dos estudos de migração, parece um pouco questionável se podemos manter uma definição de migração como o movimento físico de um corpo por meio de uma fronteira. Em uma época em que as tecnologias digitais permitem comunicação e cooperação em tempo real e incorporada entre trabalhadores e indivíduos além das fronteiras e fusos horários, a matriz comum da migração ligada ao trabalho ou à terceirização/offshoring parece estar em questão porque em muitos pontos não fica claro o que está realmente atravessando fronteiras. São corpos, dados, produtos?

Como você relaciona trabalho de cuidados, trabalho reprodutivo e trabalho remoto em plataformas digitais?

Em minha análise sobre crowdwork, trabalho em nuvem ou gig remota – termos que tem sido muito usados ​​no momento – ficou claro para mim que há um grande grupo de crowdworkers em várias plataformas que combinam trabalho para as plataformas com trabalho reprodutivo, por exemplo, cuidar de crianças, idosos ou pessoas doentes. Isso é possível porque eles podem trabalhar em casa e colocar algum trabalho digital em seus computadores sempre que tiverem tempo para fazê-lo entre as tarefas domésticas.

É muito interessante aqui, como as plataformas digitais se alimentam das crises de reprodução social à medida que se desenrolam em diferentes geografias. Em locais onde há pouca infraestrutura social e assistencial, você encontrará muitos trabalhadores nessas situações e estes são, não surpreendentemente, predominantemente mulheres. Assim, é interessante ver como o trabalho não remunerado de reprodução social interage com novas formas de trabalho assalariado viabilizado por plataformas. O que vemos aqui também é a indexação de novos recursos de trabalho ao capital, à medida que pessoas ou tempo de pessoas se tornam disponíveis como tempo de trabalho potencial que antes era inatingível para o trabalho assalariado. Não estou pensando apenas em mulheres que combinam trabalho de assistência com crowdwork, mas também, por exemplo, em um estudante fazendo algumas tarefas na Amazon Mechanical Turk entre as aulas ou em pessoas em áreas onde há poucas possibilidades de trabalho assalariado offline.

E então, é fascinante situar o trabalho remoto por plataformas na longa história do trabalho em casa, que já é uma história de trabalho predominantemente feminino. Em meados do século XIX, Marx escreveu sobre a função central e a renovação do trabalho em casa como um exército de reserva constituído predominantemente por mulheres e crianças. Ele descreve o trabalho em casa como um “departamento externo da fábrica”, o que é uma formulação realmente interessante para mim. Então, há uma longa história de trabalho em casa que também é instrutiva para entender o momento presente e as plataformas digitais. Por exemplo, é também Marx que sublinha a importância dos salários por peça para os primeiros sistemas industriais de trabalho doméstico. E o que vemos na economia de plataformas de hoje, não apenas de maneira remota, mas também em plataformas como Uber e Deliveroo, é um renascimento digital dos salários por peça. Assim, a atenção a esses aspectos também nos permite situar a economia de plataformas em uma longa história de trabalho flexível, que é em grande parte também a história do trabalho feminino e migrante.

Categorias: Trabalho

× clique aqui e fale conosco pelo whatsapp