bool(false)





Nova pagina 2

Folha de São Paulo, Ciência, domingo, 16 de maio de 2010 

Talento universal

Psicólogo explora origens cognitivas da música analisando as habilidades
das pessoas comuns

RAFAEL GARCIA, DA REPORTAGEM LOCAL 

Qualquer pessoa que já tenha ido a um bar de karaokê estranharia se alguém
lhe dissesse que a aptidão para a música é um dom universal. Diante de tantas
notas desafinadas -que tendem a piorar com o consumo de álcool- é difícil
acreditar que a musicalidade tenha sido moldada pela evolução e se tornado um
diferencial de sobrevivência para a espécie humana. Essa, contudo, é a hipótese
que tem sido perseguida por um número cada vez maior de cientistas da mente, que
têm na música um objeto de estudo.

Segundo o psicólogo cognitivo Daniel Levitin, professor da Universidade
Stanford, da Califórnia, há pelo menos 250 pesquisadores que hoje trabalham
nisso mundo afora. Seu dia-a-dia varia entre atividades que vão desde escanear o
cérebro de violinistas em máquinas de ressonância magnética até convencer
pessoas desafinadas a cantar para medir sua precisão média de afinação.

Um número sem fim de ideias já foi concebido para investigar questões
relacionadas à origem evolutiva da música, mas diversas teses que emanam dos
experimentos parecem esbarrar em um obstáculo comum. Se todas as sociedades
evoluíram o suficiente para incluir a música em seu repertório de comportamento,
por que só alguns indivíduos privilegiados conseguem subir em um palco e cantar
ou tocar algo que agrade ao resto dos mortais?

"A música no seu cérebro", novo livro de Levitin, que sai agora em
português, tenta responder a essa pergunta, com relativo sucesso. O cientista,
que também é músico formado pelo Berklee College, de Boston, não é o primeiro a
levar esse o universo da neurocognição musical a um livro para leigos, mas
conseguiu a primazia em pelo menos um aspecto.

Outros autores que já trataram do assunto, como Oliver Sacks e Robert
Jourdain, abordam a questão quase exclusivamente sob a óptica dos formalismos da
música erudita. O ambiente de um concerto, postulam os cientistas, precisa ser
de alguma forma comparável à cultura musical nas cavernas do Paleolítico. Isso
exige uma estratégia de didatismo não necessariamente simples.

Salto de coragem

Contornar essa dificuldade, porém, parece ter demandado mais coragem do que
estratégia, afinal. Levitin explica: "Ficaríamos chocados se membros do público
num concerto sinfônico se levantassem da cadeira e começassem a bater palmas,
gritar, dançar como se espera que aconteça num show de James Brown, mas tal
reação é certamente mais próxima da nossa verdadeira natureza."

O autor cumpre com habilidade a missão de aproximar a música popular da
neurocognição. Seu currículo inclui uma década de trabalho como produtor musical
na Califórnia, tendo acompanhado sessões de gravação de artistas como Carlos
Santana e Aretha Franklin.

O resultado é um livro acessível ao frequentador típico de karaokê, que
pode amar música, mas não talvez não queira ter de escutar um concerto de
Schönberg para entender explicações sobre como a harmonia musical atua no
cérebro. Levitin, por opção, recorre continuamente a canções dos Beatles como
exemplos e não dispensa nem "Parabéns a você".

O livro também narra uma pesquisa realizada pelo próprio Levitin, na qual
mostrou que todas os humanos possuem em algum grau o chamado ouvido absoluto
-habilidade que algumas pessoas têm de dar nomes a todas as notas que escutam.

Recrutando estudantes para experimentos em Stanford, ele constatou que
muitos não-músicos, quando deixados à vontade, tendem a cantarolar suas canções
preferidas no tom original correto. Para Levitin, o ouvido absoluto é apenas uma
espécie de habilidade inconsciente, mas universal. Por alguma razão
desconhecida, só algumas pessoas conseguiriam trazê-la ao plano consciente.

Se a ideia de que há algo de Mozart em cada um de nós é sedutora e aparece
bem fundamentada no livro, o tratamento dado à questão evolutiva da música não
passa a mesma impressão. Levitin é assumido adepto da teoria segundo a qual a
música surgiu na espécie humana em função da seleção sexual, mesmo reconhecendo
ser esta uma ideia ainda carente de evidências mais contundentes.

"Darwin considerava que a música antecedia a fala como ferramenta para
fazer a corte, equiparando à cauda do pavão", escreve o autor, recorrendo a
exemplos como o sucesso reprodutivo de Jimi Hendrix para corroborar a teoria.

Se a psicologia cognitiva não obteve grandes avanços na tentativa de
explicar a emergência da música na evolução humana, porém, trabalhos como o de
Levitin são uma sugestão forte de que vale continuar nessa busca, na contramão
do que acredita um dos papas da área. "A música poderia desaparecer da nossa
espécie, e nosso estilo de vida ficaria praticamente inalterado", escreveu
psicólogo americano Steven Pinker.

Levitin, porém, defende que dificilmente um mero efeito colateral de
habilidades cognitivas seria tão prevalente em tantas sociedades e, por fim, em
tantos indivíduos. Se muita gente hoje sente vergonha de cantar, afinal, o fato
de que todos sabem apreciar alguém que canta talvez diga alguma coisa.


LIVRO – "A
música no seu cérebro", de Daniel
Levitin, Civ. Brasileira, 364 págs., R$ 49,90


1 comentário

Os comentários estão fechados.

× clique aqui e fale conosco pelo whatsapp