bool(false)





Nova pagina 8

REVISTA ÉPOCA, 10/09/2040 – 21:05 – ATUALIZADO EM
09/09/2010 – 13:43

A
doutora da vacina


Após três décadas de estudos, Miriam Tendler consegue
um acordo para produzir sua vacina contra a esquistossomose – a primeira 100%
brasileira

MAURÍCIO MEIRELES


HUMANITÁRIA
 

Miriam Tendler, em uma pausa do trabalho. Sua
descoberta pode ajudar milhões de pessoas no mundo


Conseguir mais de uma hora na agenda dela é difícil. O fato de não tirar férias
há cerca de dez anos dá uma ideia de quanto ela esteve ocupada nas últimas
décadas. Mas o esforço valeu a pena. A doutora Miriam Tendler, de 61 anos,
pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), descobriu a vacina contra uma
doença que afeta 74 países: a esquistossomose, conhecida popularmente como
barriga-d’água. No ranking de doenças parasitárias que afetam mais pessoas em
mais países, a doença só fica atrás da malária. Estima-se que haja 200 milhões
de pessoas infectadas e outros 600 milhões sob o risco de contaminação. Por ano,
são 200 mil mortes. A fasciolose hepática, a variação da doença que contamina
rebanhos, leva a prejuízos de US$ 3 bilhões anuais para a indústria de
alimentos, pela infecção de mais de 300 milhões de cabeças de gado.

A
história da primeira vacina 100% brasileira – da descoberta à produção – começou
há mais de 30 anos e é um exemplo de como a biologia molecular pode ajudar a
saúde pública. As vacinas funcionam assim: um antígeno em doses inofensivas é
posto em contato com o organismo humano, que produz anticorpos para se defender
daquela doença e cria uma proteção para contágios futuros. Na maioria das vezes
o antígeno é desconhecido. No caso da vacina contra a gripe, o vírus é injetado
no organismo humano, mas não se sabe exatamente o que naquela vacina faz o corpo
humano reagir. No caso dos vírus, que podem ser reproduzidos em larga escala em
laboratório, isso inviabiliza a produção industrial das vacinas. Mas a
esquistossomose é causada por vermes do gênero Schistosoma. Seria
inviável cultivar esses vermes em larga escala para a produção industrial da
vacina.


Por isso, o trabalho da equipe da doutora Miriam era descobrir e sintetizar o
agente dentro do verme que provoca a reação de defesa no organismo. O resultado
das 12 horas de trabalho diário veio em 1990, quando ela conseguiu clonar a
proteína Sm14, um bom antígeno para a vacina.


Era um resultado fantástico. Mesmo assim, Miriam se diz surpresa com a
visibilidade que ganhou. Mas os 15 anos de trabalho até aquela vitória eram só o
começo. Rigorosa com seus métodos de pesquisa, Miriam iniciou ali os esforços
para estabilizar a proteína, registrar patentes e testá-la em animais. Sem isso,
a descoberta não cumpriria seu potencial de servir à sociedade.


Nos anos seguintes, Miriam se dedicou a melhorar o processo de produção do
antígeno, para diminuir suas etapas e torná-la viável economicamente. Vinte anos
depois, os testes em animais chegaram ao fim, e a vacina – em sua versão para o
gado – finalmente vai começar a ser produzida pelo laboratório Ourofino, que
comprou a empresa de fomento que detinha as patentes. A versão para humanos
ainda vai demorar. Por contrato, a Ourofino se comprometeu a produzi-la assim
que ela passar pelos humanos, que serão iniciados neste ano. A previsão é que
ela esteja disponível em no máximo cinco anos.

"O trabalho é complicado. Tem hora que avança
muito, tem hora que empaca"

MIRIAM TENDLER, pesquisadora


Por que o gado veio na frente? Um dos problemas que a doutora Miriam teve de
enfrentar é que a vacina contra esquistossomose não tem apelo comercial.
Trata-se de um remédio para gente pobre. O maior mercado é a África, e isso já
diz bastante sobre sua viabilidade econômica. Por sorte, havia a doença do gado.
Como a molécula usada na vacina animal é a mesma, a humana avançou na carona.
Havia concorrentes. Os franceses chegaram a desenvolver uma vacina contra a
doença, mas ela só combate uma das sete espécies de verme que causam a
esquistossomose. A Sm14 foi reconhecida pela OMS como o único candidato com
capacidade para chegar ao mercado rapidamente.

A
situação começou a mudar há alguns anos. “Trabalhar com doenças para países
pobres virou um bom negócio em todo o mundo”, diz Miriam. “Ficou mais fácil
captar recursos.” A Fundação Bill e Melinda Gates, do fundador da Microsoft,
declarou no começo deste ano que esta seria a década das vacinas. A fundação
doou US$ 10 bilhões para pesquisas na área. O laboratório de Miriam conseguiu
cerca de R$ 18 milhões fora da Fiocruz, com agências de fomento à pesquisa e a
Organização Mundial de Saúde.

“A
produção científica brasileira é grande, mas dificilmente consegue chegar ao
mercado”, afirma Miriam. Qual é o segredo dela, então? “Foco”, diz. Seus colegas
se referem a ela como uma pessoa determinada. Miriam é filha de um judeu
brasileiro e uma imigrante judia alemã, que veio para o Brasil fugindo do
nazismo. “Acho que a cultura judaica de valorizar o estudo e o esforço me ajudou
muito. Lá em casa, nunca faltavam livros.”


Durante a pesquisa, ela raramente tirou férias. Quando tirava, era só em “meio
período”. Sempre dava um jeito de passar no laboratório de manhã para acompanhar
o trabalho. Mãe de três filhos, dois gêmeos, sempre teve de equilibrar os papéis
de mulher e cientista. Ela diz que o marido ajudava, mas às vezes precisou levar
as crianças para o trabalho (numa época em que ainda não era proibido ter
crianças dentro do laboratório). Atualmente está divorciada, e os filhos estão
crescidos. De vez em quando, leva os dois netos – mas eles ficam no escritório,
longe das pesquisas. Para fazer as unhas ou ir ao cabeleireiro, só em
aeroportos, enquanto espera um voo internacional.


Ante a falta de estrutura no Brasil, ela certa vez carregou uma mala com seus
materiais de trabalho, suas amostras, para o Marine Biological Laboratories, nos
Estados Unidos. “Um trabalho assim é complicado, tem horas que parece que você
avança muito e horas em que você empaca”, afirma. Para sair dos impasses, ela
contou com uma rede de 13 colaboradores de países como Egito, Suíça e Suécia.
Alguns são responsáveis por partes do processo, outros prestaram consultoria.
“Tenho a oportunidade de conhecer e conviver com pessoas de todo o mundo”, diz.

O
projeto sofreu com a cultura acadêmica brasileira, que avalia o pesquisador pelo
número de artigos que publica e estimula o uso da pesquisa no ensino de alunos
de doutorado e mestrado. A equipe enfrentou as críticas porque acreditava que o
conhecimento produzido naquele laboratório deveria ser protegido. Para Miriam, a
pesquisa se tornou uma missão. Tanto que ela nem queria fazer a foto que ilustra
esta reportagem. Temia que pudesse dar azar.


1 comentário

Os comentários estão fechados.

× clique aqui e fale conosco pelo whatsapp