bool(false)



Nova pagina 8

Revista Veja, 23 de novembro de 2011, pp. 116-120]

PAUL GOLDBERGER 

A LIÇÃO DAS RUAS


O americano Paul Goldberger, professor e crítico de
arquitetura, diz que, estudando construções de todos os tipos pelo mundo afora,
descobriu algo essencial: numa cidade, a rua é mais importante que os prédios

Paul Goldberger respira
arquitetura. Na sala de seu apartamento, uma parede é dominada por um pôster
clássico com imagens de arranha-céus de Nova York. No escritório de casa, entre
prateleiras de livros, ele tem uma vasta coleção de miniaturas de construções
icônicas nos EUA e em outros países. Formado em história da arquitetura,
Goldberger divide sua dedicação ao assunto em três atividades: é professor na
New School, crítico da revista Neo Yorker e escritor e palestrante. Função que o
levará a São Paulo nesta semana. No Arq.futuro, evento que discutirá arquitetura
durante três dias, Goldberger fará palestra e lançará seu livro mais recente, A
Relevância da Arquitetura, no qual discorre sobre o impacto social e cultural do
desenho de prédios e casas.

Respirando arquitetura, Goldberger aprendeu que ela
não é tudo, às vezes nem o principal. “Numa cidade, a rua é mais importante que
os prédios”, diz. “A rua é uma idéia antiga que funciona perfeitamente. Não
precisamos reinventá-la. Uma das razões pelas quais Nova York funciona tão bem é
que a cidade se construiu voltada para a rua. E na rua que está a vida das
cidades”. Por isso, ele torce o nariz para os shopping centers plantados no meio
das cidades. “São como um aspirador, tirando as pessoas das ruas”. Adora Nova
York, sobretudo a vizinhança oeste do Central Park, onde vive há décadas, de
prédio em prédio. Morou no Dakota, símbolo da cidade pelo perfil acastelado e
germânico e pelo assassinato de John Lennon, alvejado por quatro tiros quando
entrava no edifício. Morou no San Remo e, agora, mora no Beresford, ambos
debruçados sobre o Central Park e projetados pela mão serena do arquiteto Emery
Roth (1871-1948).

A diferença de tantos profissionais e críticos,
Goldberger tem a boa qualidade de não ser idiossincrático. E tão eclético que,
entre seus favoritos, estão o arquiteto Andrea Palladio (1508- 1580), cuja
maestria em unir os estilos grego e romano acabou por definir o que se entende
por arquitetura ocidental, e Frank Gehry, o canadense que encanta o mundo com
suas fabulosas esculturas de titânio. Nem as lanchonetes do McDonald’s ou os
cassinos de Las Vegas são apontados como horror arquitetônico. “Eu não viveria
em Las Vegas, mas acho-a uma cidade envolvente. E até o McDonald’s, nos últimos
anos, tem melhorado suas instalações. Elas estão ficando mais sofisticadas, mais
modernas e, em alguns casos, até tentam se encaixar com mais harmonia na cidade
em que estão.”

A seguir, um resumo de sua conversa com VEJA:

VEJA: Com o espaço virtual tomando o lugar do espaço
físico, pode-se morar num canto do planeta e trabalhar no outro. Nesse mundo
cibernético, a arquitetura, que é física e presencial por natureza, perderá
gradualmente a relevância?

PAUL GOLDBERGER: Acho que a virtualização tornará a
arquitetura ainda mais relevante. Hoje fazemos muitas coisas on-line. Eu mesmo
trabalho em casa. Tive uma reunião de manhã, mas ficarei o resto do dia
trabalhando em casa. À medida que as pessoas saem menos, podem ficar mais
interessadas na natureza do seu ambiente, mais envolvidas com uma peça
especifica de arquitetura — a própria casa. E, porque ficamos cada vez mais em
casa usando o espaço virtual, acho que os lugares reais ficarão mais especiais,
mais preciosos até. Somos gregários, gostamos de espaços públicos. Quando a
tecnologia permitiu a impressão de bons livros de arte, houve quem decretasse a
morte dos museus. Pensavam que mais ninguém se interessaria em visitá-los para
ver o que já fora visto num livro de alto padrão. Aconteceu o contrário. As
pessoas se familiarizam com Monet ou Rembrandt nos livros e ficam mais
interessadas em ver a obra real. Com a música, deu-se algo parecido. No século
XIX, não havia meio de escutar música que não fosse saindo de casa, comprando um
ingresso e indo a um concerto.

Hoje, a tecnologia nos permite ouvir música em
qualquer lugar, a qualquer hora, mas as pessoas continuam indo aos shows ao
vivo.

VEJA: A arquitetura verde será muito diferente da
atual?

PAUL GOLDBERGER: Não acredito. Quando os arquitetos
começaram a se preocupar com o consumo de energia, anos atrás. pensava-se que
seria o fim dos prédios de vidro. Neles, com o sol entrando direto, o calor
aumentava e o uso do ar-condicionado explodia. No inverno, como o vidro não
retém calor, o sistema de calefação ficava sobrecarregado. Os arranha-céus
voltariam ao tijolo e à pedra. No entanto, os fabricantes transformaram o vidro
e hoje temos mais prédios de vidro do que antes. É um edifício de vidro pode ser
tão ambientalmente correto quanto um edifício de pedra. O que realmente vai
aumentar são os telhados verdes. Mas isso mudará a aparência dos prédios vistos
de cima, não da rua. Chicago tem avançado bastante em relação à arquitetura
ambientalmente correta. E um fato curioso. Chicago é uma cidade fria, com um
longo inverno, não precisa se preocupar com o alto consumo de ar condicionado no
verão. O prédio da prefeitura, que é antigo, passou por uma reforma sofisticada
para poupar energia e tem um telhado verde. O caso mais importante que conheço
de prédio antigo reformado para melhorar o consumo de energia é o Empire State,
em Nova York. Ele é famoso por ser alto, mas merece ser famoso por ser verde.
Hoje, é eficiente no consumo de energia e sua aparência é a mesma.

VEJA: Qual a cidade mais bonita do mundo?

PAUL GOLDBERGER: Considerando apenas a beleza
arquitetônica, Paris. Talvez Roma. Mas, considerando cidades que reúnem uma
vasta arquitetura atraente e assim criam bairros incríveis, eu acrescentaria
Londres, Pequim, Xangai e Nova York. Também Chicago, Los Angeles e Buenos Aires.
Talvez São Paulo. Sei que São Paulo não é bonita, mas dizem que é fascinante,
eletrizante.

VEJA: Nas cidades brasileiras, é comum a arquitetura
brigar feio com o urbanismo. Esse conflito é resultado de quê?

PAUL GOLDBERGER: Em lugares diferentes isso significa
coisas diferentes. Quando se tem bom urbanismo mas uma arquitetura que lhe é
indiferente, é arrogância. Nos subúrbios americanos, onde esse problema também
existe, a razão é outra. Na segunda metade do século XX, abandonamos o urbanismo
e começamos a construir em função do automóvel. Adoro carros, mas o carro é
antiurbano por excelência. Cidades construídas nos últimos cinquenta ou setenta
anos favoreceram o carro à custa do bom urbanismo. E um problema mais grave que
ter um ou outro edifício horroroso plantado no meio da cidade.

VEJA: Brasília, cidade feita para o automóvel, já foi
descrita como a glória e o túmulo do modernismo. Qual a sua opinião?

PAUL GOLDBERGER: Brasília tem
boa arquitetura e terrível urbanismo. Oscar Niemeyer foi um discípulo de Le
Corbusier, um dos maiores arquitetos de todos os tempos. Mas Le Corbusier era um
urbanista horroroso. Ele percebeu o efeito profundo que o automóvel teria nas
cidades, e entendeu que o melhor a fazer era destruir a cidade tradicional e
construir uma cidade nova, inteiramente a serviço do automóvel. Isso não
funciona. Qualquer lugar em que você precisa dirigir o tempo todo não é, a meu
ver, uma cidade bem resolvida. Niemeyer é um dos mais importantes arquitetos do
século XX. Fez prédios maravilhosos. Mas o plano urbano de Brasília não
funcionou. Sei que o desenho urbano é de Ludo Costa, mas entendo que era muito
consistente com aquilo que Niemeyer queria. Digamos que em Brasília o arquiteto
se saiu bem, mas o urbanista não.

Categorias: Arquitetura

1 comentário

Os comentários estão fechados.

× clique aqui e fale conosco pelo whatsapp