bool(false)





Nova pagina 26

VEJA, Edição 2035, 21 de novembro de 2007



Entrevista:

Eric Nadelstern



Ensinar a competir


À
frente de uma reforma radical nas escolas de Nova York, o professor diz que,
quanto mais meritocracia, melhor fica o ensino

Monica Weinberg



"Para fazer de uma escola um exemplo de excelência, é preciso dar incentivos
concretos a quem trabalha nela, tal qual em qualquer empresa"

O americano Eric Nadelstern, 57 anos, tem um cargo pouco
usual para alguém que trabalha com escolas públicas. Ele é CEO na Secretaria de
Educação da cidade de Nova York, de onde comanda uma das reformas mais radicais
já feitas tendo como alvo uma rede tão grande de escolas públicas. Desde 2002,
quando o empresário Michael Bloomberg assumiu a prefeitura de Nova York, é de
Nadelstern a função de implantar nas escolas um novo modelo cujos pilares são a
competição e a recompensa baseada no mérito, tal qual no melhor setor privado.
Os especialistas dizem que a reforma implementada por ele merece a atenção de
governantes, educadores e também dos pais, pelos bons resultados já colhidos.
Resume Nadelstern: "Temos uma escola de século XXI com a cara do século XIX.
Precisamos de coisa melhor". Com uma carreira de 35 anos em escolas públicas de
Nova York, onde já deu aulas e exerceu todos os cargos possíveis na hierarquia,
poucas pessoas entendem tanto do assunto quanto ele. Por essa razão, Nadelstern
é convidado para dar palestras no mundo inteiro. Casado e pai de uma filha,
também professora, ele concedeu a VEJA a seguinte entrevista.

Veja – É mesmo possível transformar
escolas de má qualidade em bons colégios ou é melhor fechá-las, como ameaça
Michael Bloomberg, prefeito de Nova York?

Nadelstern – É possível. O primeiro passo é mudar
radicalmente a velha cultura que abomina a competição e a meritocracia no
ambiente escolar. A ausência de competição e de honra ao mérito é predominante
não só em colégios de países em desenvolvimento, como o Brasil, mas também em
escolas americanas. Em quase quarenta anos como professor e pesquisador do
assunto, sempre me causou perplexidade o fato de que, mesmo em um país como os
Estados Unidos, alguns dos conceitos mais fundamentais na sociedade sejam
tratados nas escolas como pecados capitais. É preciso superar esse ranço para,
aí sim, começar a sonhar com melhorias no ensino.

Veja – Quais medidas se revelaram mais
eficazes em sua própria experiência?

Nadelstern – De saída, concluímos que não dá para
ter bom ensino sem reunir na escola um grupo de profissionais obcecados por
acertar. Isso é algo que certamente não aparece por geração espontânea, pelo
idealismo puro e simples. Para contar com uma tropa de gente decidida a fazer de
determinada escola um exemplo de excelência, é preciso antes de tudo lhe dar
incentivos concretos, tal qual ocorre em uma empresa privada. Não me refiro aqui
apenas ao aumento de salário, que também ajuda, mas sobretudo a uma política de
premiar com mais dinheiro diretores e professores que alcancem os melhores
resultados. A Coréia do Sul já fez isso com sucesso e estamos colocando a idéia
em prática agora em Nova York. Com a velha isonomia salarial, passamos uma
mensagem equivocada do menor esforço, segundo a qual dar a alma ao trabalho não
faz nenhum sentido. Queremos estimular justamente o contrário.

Veja – Isso gerou protestos nas
escolas?

Nadelstern – Às vezes. Mas o fato é que se foi o
tempo dos relatórios subjetivos produzidos por burocratas do ensino, que
dependiam do humor do avaliador. Chamavam atenção pelo festival de adjetivos e
pela escassez de substantivos. Em sociedades modernas tão afeitas às
estatísticas, não há por que não aferir a qualidade dos professores
atribuindo-lhes notas numa escala numérica. As pessoas podem reclamar, mas o
número é algo irrefutável. Aplicamos provas aos alunos. Se a classe de um
professor vai mal numa série de testes, é um sinal de que ele está falhando. Por
outro lado, quando há um consistente avanço nas notas, temos em mãos um poderoso
indicador do seu talento ao lecionar. São essas as escolas que, no caso de Nova
York, recebem bônus no orçamento. Cabe ao diretor fazer o rateio do prêmio,
tendo pesado o mérito de cada um para o resultado final. Ele é o gerente de
fato.

Veja – Que tipo de interferência do
estado, afinal, contribui para o progresso de uma escola?

Nadelstern – Como em outros setores da economia,
também em uma rede de escolas públicas não faz sentido que o governo seja o
todo-poderoso, a quem elas devam consultar sobre a compra de uma borracha ou um
vazamento no teto. No novo sistema, os diretores recebem dinheiro da prefeitura
e são livres para administrar a escola como julgarem melhor. Como esperar que os
diretores sejam gestores tão eficazes quanto os das grandes empresas se os
privamos de poder? É ilógico. Por essas e outras, as escolas públicas americanas
costumam ser lembradas pelos magos da administração como exemplos de
ineficiência e atraso. Com a autonomia, a história é outra. Antes dela, apenas
13% do dinheiro que deveria chegar às escolas seguia esse destino. O restante
era consumido com a burocracia ou desaparecia nos ralos da corrupção. Depois que
a gestão ficou nas mãos dos diretores, 70% do dinheiro está nas escolas. A meta
é chegar a 90%. Com isso, estou convencido de que o estado não tem talento nem o
dever de intervir no miúdo, mas é, sim, seu papel estabelecer um conjunto
eficiente de regras para estimular o bom ensino – e, claro, cobrar os
resultados.

Veja – Como exatamente o governo pode
cobrar bom desempenho de uma escola?

Nadelstern – Damos a autonomia e, em troca, o
diretor assina um contrato com a prefeitura em que se compromete a fazer seus
estudantes alcançarem uma determinada média de notas, a reduzir a evasão, a
combater a repetência, e por aí vai. Se as escolas não cumprem tais metas,
recebem menos dinheiro do que as demais que mostram avanço nos indicadores. Nas
escolas em que o resultado é sempre péssimo, não há saída senão demitir os
diretores. No mundo privado, não causa espanto que alguém de alto escalão seja
mandado embora por incapacidade de gestão. Na escola pública, isso ainda é visto
como uma injustiça. Para mim, é mais um sinal de que as escolas têm muito a
aprender com as empresas.

Veja – Como atrair os melhores
profissionais para as escolas públicas?

Nadelstern – A política de dar bônus por
desempenho é uma medida que, por si só, já enche os olhos dos bons profissionais
do mercado. Evidentemente, um ambiente de trabalho em que ficarão equiparados à
mediocridade não lhes é atraente. Outro ponto fundamental, de novo, é o fato de
as escolas serem autônomas, e não mais tão dependentes do estado. É claro que um
bom executivo se sentirá mais desafiado com esse cenário. Também é possível
fisgar os melhores profissionais ao colocá-los em funções estratégicas pelas
quais serão bem remunerados. Estou certo de que um de nossos trunfos foi ter
conseguido recrutar alguns dos melhores acadêmicos de universidades como Harvard
e Princeton e, ainda que em menor proporção, trazer gente do setor privado para
as escolas. Alguns deles estão dando aulas de ciências em escolas localizadas em
áreas menos nobres e mais violentas. Ninguém em sã consciência hoje pode abrir
mão de um bom ensino de ciências, senão vai ficar para trás. É também contra
isso que estamos lutando ao contratar os melhores acadêmicos do país.

Veja – O que seus estudos e a própria
experiência mostram sobre o combate ao crime nas escolas?

Nadelstern – Esse está longe de ser um problema
exclusivo da cidade de Nova York, tampouco de países pobres, como o Brasil.
Tenho observado nas últimas décadas o modo como os diversos educadores e
governantes lidam com a criminalidade no ambiente escolar e cheguei a duas
conclusões sobre o que ajuda a erradicá-la. Primeiro, é preciso adotar medidas
de segurança na escola, ainda que isso pareça estranho a algumas pessoas.
Defendo minha posição com base em fatos, e não em ideologia. Em escolas de Nova
York antes dominadas por gangues, a violência despencou desde a década de 90,
quando foram instalados detectores de metais na entrada e elas recrutaram
agentes de segurança treinados para lidar com essa situação. Em outra frente,
uma medida eficaz de mais longo prazo é reduzir o tamanho das classes e das
próprias escolas.

Veja – O senhor acha viável transformar
um sistema público de escolas gigantes e classes lotadas em uma rede de pequenos
colégios?

Nadelstern – Esse é um processo que pode consumir
décadas, mas, sim, está no campo do possível. Defendo isso com base em pesquisas
segundo as quais, de todos os fatores, o tamanho da escola é o que mais
influencia as chances de um aluno em Nova York concluir o ensino médio e chegar
à universidade. Não estou dizendo que todas as escolas de grande porte são
ruins, nem que as pequenas são sempre oásis de bom ensino, mas, na média, é essa
a realidade – e os pais devem estar informados sobre isso ao matricular seus
filhos. Do ponto de vista prático, é evidente que não é viável para um governo
sair por aí comprando terreno para construir mais escolas. É possível, no
entanto, transformar uma escola grande em várias pequenas, fazendo uso do mesmo
prédio. Cada uma delas passa a ter diretor próprio, uma equipe de professores e
funcionamento de escola pequena.

Veja – E por que exatamente isso é bom?

Nadelstern – Em primeiro lugar, porque num
ambiente menor os pais passam a participar mais, segundo nos mostra uma pesquisa
sobre o assunto. Hoje as famílias estão, em geral, alheias ao que se passa na
escola. De um lado, porque não lhes sobra tempo. De outro, porque têm
dificuldade em ser recebidas nas escolas – o que só atrapalha. Outro ponto a
favor das escolas menores é que, nelas, os professores passam a conhecer um
pouco melhor as necessidades de seus alunos. Uma de minhas cruzadas é justamente
criar nos colégios uma nova cultura, de modo que as aulas não sejam tão
dissociadas das reais demandas dos estudantes.

Veja – Como aproximar uma escola da
realidade de seus alunos?

Nadelstern – Insisto, de novo, na necessidade de
aplicar provas aos estudantes, nesse caso com o objetivo de saber o detalhe do
detalhe sobre o que eles aprenderam até aquele momento do ano. Criamos seis
testes anuais com essa finalidade. Isso mesmo: a idéia é fazer monitoramento
permanente. Acredito que só aí é possível ao professor dar uma boa aula, mais de
acordo com as necessidades dos alunos. Infelizmente, o que observo sobre a
maioria das escolas nos Estados Unidos é que, em se tratando de ensino, oferta e
demanda ainda andam, basicamente, separadas. O professor fala sobre Platão para
estudantes que desconhecem os fundamentos da Grécia antiga. Em aulas sobre a I
Guerra, quase ninguém sabe onde fica a Europa. Não tem como dar certo. Se os
alunos ignoram o básico, vamos lhes dar primeiro isso.

Veja – De que modo o senhor acha que
dar prêmios em dinheiro aos melhores estudantes, como ocorre em Nova York, pode
ajudar a melhorar esse cenário?

Nadelstern – A competição empurra as pessoas para
a frente. Nas escolas, as crianças a encaram como uma gincana, na qual, para
sair vencedoras, precisam estudar mais. Esse é o objetivo. Os alunos gostam. Os
pais adoram. Mas sindicalistas e intelectuais lunáticos reclamam. Se a sociedade
como um todo cultua os rankings, não vejo por que ser diferente no ambiente
escolar, no qual supostamente se dá uma espécie de treino para a vida real.
Premiar é, afinal, uma maneira de jogar luz sobre um conjunto de bons hábitos
que devem servir de modelo para os outros.

Veja – Como atrair para as escolas
públicas 350 milhões de dólares do setor privado, a exemplo do que ocorreu em
Nova York?

Nadelstern – Lição número 1: não dá para bater à
porta de Bill Gates com um diagnóstico de 1000
páginas sobre a educação pública e esperar que ele tenha tempo e disposição para
lançar-se numa longa e enfadonha discussão teórica. O que funciona é chegar com
um projeto curto, de execução palpável e custos definidos. Essa é a linguagem do
mercado. Repetimos sempre nos Estados Unidos que a diversidade é a pedra
fundamental de uma sociedade livre e democrática – e, por essa razão, estamos em
busca de perfis distintos de escola. Ao passar o chapéu nas empresas, comecei a
falar em um novo "portfólio" de colégios, e não mais em diversidade. Funcionou.
Um país mais pobre como o Brasil certamente poderia se beneficiar mais desse
tipo de prática.

Veja – Apesar de todos esses esforços,
os indicadores de ensino em Nova York ainda são ruins…

Nadelstern – Os resultados na educação são sempre
lentos, mas acho que, diante disso, avançamos a uma velocidade bastante
razoável. Há cinco anos, 50% dos estudantes concluíam o ensino básico em Nova
York. Hoje, são quase 60%. Ou seja: 20% mais gente. É um indicador de que
seguimos na direção correta. Estou bastante atento ao que outros países estão
fazendo para melhorar. Essa é uma obrigação de qualquer homem público no mundo
globalizado. Meu diagnóstico geral é que as escolas ainda têm a cara do século
XIX em sociedades do século XXI. Elas continuam afeitas à decoreba, encaixotadas
em grades curriculares ultrapassadas e incapazes de preparar as crianças para
olhar os problemas da atualidade de modo abrangente e desprovido de preconceito.
Os pais devem cobrar, sim, porque, no que diz respeito à escola pública, seus
filhos são reféns de um serviço que se situa entre o mediano e o ruim; o velho e
o antiquado. Por tudo isso, estou convicto de que as escolas precisam de um bom
banho de modernidade.


1 comentário

Os comentários estão fechados.

× clique aqui e fale conosco pelo whatsapp