bool(false)



Nova pagina 2

Folha de São Paulo, Especial, DOMINGO, 9 DE JUNHO DE 2013


FARMACÊUTICOS

Testes de novos remédios geram vagas em laboratório

Departamento de assuntos regulatórios é a bola
da vez

ANA MAGALHÃESCOLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Em 2005, o farmacêutico Rodrigo Crispim, 33,
trabalhava como monitor de pesquisa clínica da Bristol-Myers Squibb (BMS) e teve
a oportunidade de acompanhar estudos sobre o dasatinibe, princípio ativo para
tratamento de pessoas com leucemia. O medicamento estava apenas em fase de
testes.

"Tínhamos pacientes com estimativa de vida de três
anos e que estão vivos até hoje por causa do medicamento." A droga foi
registrada em 2007 e é um remédio de referência para doentes que possuem
leucemia mieloide crônica.

Crispim tornou-se diretor-associado de pesquisa
clínica da BMS e comanda uma equipe de 40 profissionais responsáveis por
conduzir estudos e testes dos medicamentos antes de sua regulamentação e
aprovação.

Para assumir o posto, ele complementou a formação com
uma pós-graduação em administração e está cursando MBA.

"Meu maior desafio é gerenciar as diferentes gerações
que trabalham comigo. Tenho profissionais de 20 a 55 anos de idade", conta.

A pesquisa clínica é uma das carreiras mais atrativas
de toda a indústria farmacêutica –ela une ciência e prática.

Porém, hoje, outros profissionais na área ganham
projeção e são muito valorizados no mercado, como os de marketing (específico
para o setor) e farmacoeconomia.

Maw s especialistas indicam que os cargos de
analista, gerente ou coordenador de assuntos regulatórios são a bola da vez do
setor. A área é responsável pelo registro dos produtos ou medicamentos na Anvisa
(Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e em outros órgãos públicos.

Apesar de existirem hoje cursos de pós-graduação
voltados para assuntos regulatórios, a recomendação é que os interessados
busquem estágios na área.

A remuneração varia de R$ 10 mil a R$ 15 mil para o
nível de gerente e chega a R$ 35 mil para o cargo de diretor, de acordo com a
consultoria Michael Page.

Quando se inscreveu para uma oferta de estágio em
assuntos regulatórios, a farmacêutica Mariana Farias, 30, não sabia muito bem do
que se tratava. Atualmente, ela é coordenadora da área de assuntos regulatórios
da Takeda e diz que, de fato, a indústria farmacêutica passou a valorizar mais o
profissional.

"O departamento deixou de ser visto como suporte para
ser considerado como estratégico para os negócios."

Farias comenta que, quando estudava na USP, escutava
que era um trabalho burocrático. Mas, segundo ela, sua função não se limita a
mexer com papelada. "Existe uma visão estratégica, uma interface com a pesquisa
clínica e com o desenvolvimento de novos produtos."

Para Lilian Pedroso, 34, gerente de assuntos
regulatórios da Pfizer, a carreira está em alta porque não é simples aprovar
medicamentos no Brasil e também pelo aumento da complexidade das exigências da
Anvisa.

"A agência vem melhorando e atualizando suas
regulamentações e, normalmente, baseia-se na legislação da Europa, dos EUA e do
Canadá. Por isso, é interessante conhecer a tendência de legislação desses
países."


1 comentário

Os comentários estão fechados.

× clique aqui e fale conosco pelo whatsapp